Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página

Filipe Colombo

Artigos

Como quebrar sua empresa com estoque
O principal motivo que leva as empresas à falência é a falta de dinheiro em caixa. Existem vários motivos que podem fazer...
Compartilhar:
Imagem do Artigo

O principal motivo que leva as empresas à falência é a falta de dinheiro em caixa. Existem vários motivos que podem fazer com que você ou sua empresa sofra com este problema e uma das principais é a má gestão do estoque, ou altos níveis de estoque com baixo giro.

 

A gestão do estoque é algo muito sério e negligenciado por muitos gestores. Eu escrevi num outro artigo como você pode perder dinheiro com a falta de estoque, se você quiser ler sobre isso clique aqui. Mas a ideia deste artigo é falar justamente o oposto. Como muito estoque pode inviabilizar o futuro do seu negócio.

 

Em 1930 Keynes escreveu que os estoques têm três finalidades:

1. Operação (transação)

2. Precaução (reserva)

3. Especulação (proteção financeira)

 

Os estoques de operação são uma consequência das condições produtivas ou das vendas no caso do varejo. Os estoques de precaução são reservas destinadas a enfrentar eventualidades, mas deve-se tomar muito cuidado com este tipo de estoque, pois podem se tornar obsoletos se não foram bem administrados. Já os estoques especulativos buscam obter vantagens econômicas em decorrência de futuras oscilações de preços no produto estocado, e é deste último que vou discorrer mais abaixo.

 

Há alguns anos atrás, no Brasil, o nível de inflação era muito alto, e por isso, muitos gestores justificavam que estocavam produtos ou matéria prima porque ali na frente, depois de algum tempo, o estoque estaria valendo mais do que hoje e isso era uma estratégia de rentabilização por causa da inflação.

 

A inflação nada mais é que um aumento generalizado de preços de bens e/ou serviços num determinado período na economia. Um nível alto de inflação corrói a rentabilidade da empresa, pois causa perdas no poder de compra monetário. Por consequência, quando os preços sobem fica mais caro produzir e mais difícil vender.

 

Ainda ouço alguns empresários e gestores que justificando a falta de controle nos estoques, aumenta os níveis de estoque, antevendo uma alta nos preços, porque ali na frente o estoque vai estar mais valorizado.


Entretanto, a demanda futura na maioria das vezes é incerta | ainda mais num país de alta volatilidade como é o Brasil | e caso a venda não aconteça, esse estoque vai gerar perdas. Essa política de estoque mais elevado, poderia até fazer sentido nas décadas de 70, 80 e início dos anos 90, em que convivíamos com o fenômeno inflacionário, mas hoje a situação é bem diferente.

 
O aumento do estoque só deve ser feito, por razões especulativas ou estratégicas, caso o seu modelo de negócio tenha um ciclo financeiro positivo, é altamente rentável e com muito dinheiro em caixa. Além disso é extremamente importante avaliar a qualidade do seu estoque. Ver se é estoque de produtos com baixo, médio ou alto giro, além de verificar se você está estocando produto acabado ou matéria-prima, isso faz toda diferença num momento de crise como o que estamos vivenciando em 2020.

 

O ideal, é manter um nível de estoque saudável, considerando o seu lead time de recebimento, produção, estocagem e faturamento. Somente assim você poderá obter ganhos com seu estoque.

 

Mas em linhas gerais, altos níveis de estoque podem levar à prejuízos irreparáveis que inviabilizarão seu negócio. Pense bem e analise muito antes de aumentar os estoques!

 

No meu livro, "Gestão Profissional na Prática" eu falo deste e de muitos outras temas relevantes para alanvancar os resultados do seu negócio. Para comprar, CLIQUE AQUI.



Abraços, @filipecolombo